Manter-se fisicamente ativo durante a pandemia é fundamental: 

Os benefícios do exercício físico na promoção da saúde são indiscutíveis e estão amplamente documentados na literatura científica. Praticamente todas as condições adversas à saúde podem, de alguma forma, ser atenuadas através da prática regular de exercícios. Caminhar, correr, pedalar, malhar, dançar, nadar, fazer funcional, yoga, etc... Tudo vale, desde que realizado com constância e, preferencialmente, em quantidade/intensidade suficientes. O exercício é tão poderoso que, mesmo quando realizado em quantidades menores que as recomendadas, também promove importantes benefícios ao nosso organismo. O único exercício ruim é aquele que você não faz.

Na prática, sabemos que fazer exercícios regularmente torna as pessoas menos suscetíveis ao adoecimento e, quando acometidas por algum tipo de doença, o processo de recuperação é mais rápido e eficiente, podendo, muitas vezes, tornar mais brandos alguns sintomas. Esse processo é mediado por uma série de adaptações positivas que tornam mais eficazes todos nossos sistemas orgânicos, em especial, o cardiovascular, o imune, o endócrino e o musculoesquelético.

Partindo desse pressuposto, um estudo conduzido por pesquisadores brasileiros e que ainda nem foi publicado em definitivo está dando o que falar. Nele, 938 pessoas infectadas pelo novo coronavírus responderam um questionário on-line. Os resultados apontam uma taxa 34,3% menor de hospitalizações por COVID-19 em pessoas fisicamente ativas.

São consideradas fisicamente ativas, segundo as recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde) e do ACSM (Colégio Americano de Medicina do Esporte), pessoas que realizam, pelo menos:
- 150 min/semana de exercício em intensidade moderada; ou
- 75 min/semana de exercício intenso.
Os dados dessa pesquisa são interessantes, pois nos convidam a fazer, ao menos, três importantes reflexões no contexto da atual pandemia:
1. Aliados aos resultados de diversas outras pesquisas sobre o tema, parece que já não estamos mais diante do questionamento sobre “se fazer exercício é realmente necessário durante a pandemia?”, mas sim, “que tipo, quanto e como eu devemos nos exercitar para obter os melhores resultados enquanto ela durar?”
2. Manter-se fisicamente, mesmo durante a pandemia, é fundamental e pode ser o divisor de águas entre internar/não internar, caso você seja infectado pelo novo coronavírus;
3. Os benefícios do exercício vão muito além do indivíduo, exercendo impacto direto no sistema de saúde pública, uma vez que têm o potencial de reduzir consideravelmente as taxas de hospitalização entre as pessoas infectadas. A taxa de ocupação hospitalar é um indicador fundamental para o planejamento/ação das autoridades públicas.

Não deixe de se exercitar.

Cuide-se. Use máscara, higienize as mãos e evite aglomerações.


Referências:
- SOUZA, Francis Ribeiro et al. Physical Activity Decreases the Prevalence of COVID-19-associated Hospitalization: Brazil EXTRA Study. medRxiv, 2020.